quinta-feira, 13 de abril de 2017

Jornada Infinita...

Faz uns bons pares de anos que eu trilho (tento) o meu caminho dando uma atenção especial ao autoconhecimento. Nos últimos anos posso dizer que tive fases um pouco distantes umas das outras, no que tange o conhecer a mim mesma. Esse ano, porém, parece que essa coisa toda se (re) despertou em mim, mas de uma maneira muito mais equilibrada, atenta, madura... O conhecer a si mesmo é uma jornada infinita. E saber que temos o tempo da eternidade para nos descobrirmos, redescobrirmos, pensarmos e repensarmos sobre antigos conceitos e pré-conceitos sobre os inúmeros dogmas que nos são impostos desde quando somos pequeninhos, nos dá uma paz incrível. Não há pressa para esta busca, pois, afinal de contas, o tempo é o das estrelas.
Vivemos, por aí, julgando um e outro, não é mesmo? Dando pitaco na vida do fulano. Querendo aconselhar a melhor maneira de se viver para o cicrano, mas e nós mesmos? Esquecemos o quanto temos que aprender sobre a nossa própria essência e nossas atitudes, crenças e verdades, que o alvo vira o outro. E isto é um erro. Eu estou buscando, cada vez mais, olhar para o meu umbigo, ao invés de ficar me preocupando com o que o outro faz ou deixa de fazer. Sei que, muitas vezes, isso se torna difícil. Principalmente quando este outro se trata de alguém que amamos muito. O nosso julgar que um amigo ou familiar está tomando decisões errôneas, ou agindo de maneira contrária ao que acreditamos ser certo é, muitas vezes, torturante e triste também... Porém, a vida de cada um diz respeito a ele mesmo. Não podemos e não temos o direito de interferir no livre-arbítrio de ninguém. Seja quem for!
Quanto mais compreendermos e internalizamos que cada pessoa está em um momento evolutivo, menos teremos vontade de interferir na caminhada dela. Quero dizer com isso que, algumas vezes estamos em um nível evolutivo em que já passamos e aprendemos sobre algo que o nosso semelhante ainda não vivenciou e, por isso, ele ainda comete equívocos em relação a isso. E vice-versa também! Muitas vezes é difícil termos um entendimento sobre algo que não nos foi esclarecido ainda, ou que ainda não vivemos... E não tem problema. O importante é sabermos que Deus, o Universo, a energia mágica e cósmica, os extraterrestres, enfim (chamemos como nos for mais confortável ou familiar), em sua infinita sabedoria, compaixão e amor incondicional, nos oferece infinitas possibilidades e chances de – paulatinamente – tomarmos consciência de nosso propósito aqui. Consequentemente, vamos aprendendo, caindo e levantando - quantas vezes forem necessárias – para nos tornarmos seres cada vez mais evoluídos e felizes.
A jornada é contínua, muitas vezes árdua, mas tão enriquecedora! É tão boa essa paz que vamos obtendo ao longo do caminho... E aquela história de que devemos aproveitar o percurso é muito verdadeira, viu? A nossa maior missão aqui nesse planeta escola é a de sermos felizes! E devemos entender que isso deve ocorrer de dentro para fora e durante todo o trajeto, não somente em comparações com o outro, nem restrito aos finais de semana, feriados, ou ao nos aposentarmos... Que jamais nos esqueçamos disso!
Desejo um feliz caminho para todos nós! Lembrando que o momento de sermos felizes é sempre O AGORA, combinado? =D

Namastê e muito obrigada! _/\_